Madonna revela que turnê começa no final do ano, que lê os comentários no Instagram e muitas outras curiosidades

Numa excelente entrevista ao jornalista Alexander Nebe para a revista alemã Gala, Madonna falou sem pudor sobre diversos assuntos, como os filhos, sua personalidade, nova turnê, sexualidade e sobre a maldade que rola na internet. E foi com a mesma regra que ela havia feito em outras entrevistas: a cada pergunta estúpida, Madonna dava uma dose de tequila ao jornalista. Confira nossa tradução:

GALA: Suas crianças estão crescidas. Eles te ajudaram a escolher as músicas do Rebel Heart?
MADONNA: Sim, há muitos anos fazemos juntos. Eu toco as canções e pergunto a opinião deles sobre o som e a letra.

E como foi o feedback deles?
Eles gostaram de muitas canções logo no início. Às vezes são contra as minhas decisões, o que geralmente nos leva a algumas discussões. Eu tenho que tomar cuidado pra isso não me prejudicar. Eles sabem exatamente como me influenciar.

Quem é o seu maior fã na família?
O David ama minha música. Adora as faixas mais dançantes e sai dançando em volta da sala.

E quem é o mais crítico?
A Lola, definitivamente. Entre todos ela é a mais próxima. Ela sabe exatamente o que quer… Assim como eu (risos).

Lola fez 18 anos em outubro e agora estuda dança, música e teatro em Detroit. O quão difícil foi ver seu primeiro filho sair de casa?
Quando ela se mudou de casa no outono foi o dia mais difícil da minha vida. Eu fiquei destruída. Mesmo quando meus relacionamentos acabaram, eu não senti aquela dor que tive naquele momento. Meu coração foi quase arrancado do peito.

E quanto tempo demorou pra você se acostumar a essa situação?
Eu não me acostumei ainda. Sinto falta de minha filha todos os dias. A Lola é como a minha alma gêmea. Ela é parte de mim e me sinto como sem um braço.

Como mãe, você está com medo de algumas coisas?
Sim, e eu realmente incomodo meus filhos com isso. Sou muito carinhosa e protetora. Sou uma verdadeira mãe coruja e não gosto da ideia que a Lola está dançando nas baladas de noite sem que eu tenha alguma possibilidade de controlar que horas volta pra casa.

Mas isso não é normal para uma jovem menina se testar?
Sim, claro. E eu era muito pior na idade dela (risos). Mas o fato triste é que vivemos num mundo maluco e assustador. Parece que a cada ano está pior. Há tantas pessoas malucas por aí. Por isso fico tão assustada pelos meus filhos.

Sua família está completa agora ou ainda imagina adotar outra criança?
Não, eu já estou com as mãos cheias por quatro crianças. Mas eu ainda cuido e financio órfãos no Malaui, tentando proporcionar-lhes educação. Sinto as crianças do Malaui de alguma maneira como minhas.

Qual o maior equívoco que as pessoas tem sobre Madonna?
Hum, bem, são muitos. Um deles, com certeza é de que não sou vulnerável. Algumas pessoas honestamente pensam que eu nunca estou triste, deprimida e que não sofro por amor. Pensam que eu sou maior que a vida. Ou acreditam que sou calculista e tenho um coração frio. E sabe, eu odiei essa pergunta. (oferece uma dose de tequila)

Espera aí, você disse que eu tomaria só nas perguntas estúpidas.
Bem, eu criei outra categoria: perguntas irritantes. Saúde! Beba.

E cadê o sal e limão?
Não tivemos verba para isso (risos).

Você respondeu questões sobre equívocos que você possui e que é vulnerável. Rebel Heart mostra essa parte de sua personalidade. Você cresceu nesses anos?
Em diferentes maneiras, sim. Mas mesmo vinte e cinco anos atrás eu já era romântica e sensível. Minha outra parte sempre será a rebeldia.

Como você lida com a hostilidade direcionada à você?
Às vezes fico muito magoada quando leio comentários com ódio e coisas desagradáveis que as pessoas fazem sobre mim na internet. É chocante como elas podem ser vilãs e más. Pior que é uma atitude covarde pois essas pessoas não falariam isso na minha cara, se me encontrassem ao vivo.

Você realmente lê os comentários ruins sobre você?
Sim, eu os leio.

Por que você se machuca dessa maneira?
Pois sou uma pessoa muito curiosa. E por sorte não há tantos comentários desagradáveis mas muita coisa bacana e positiva. É legal ver o que os meus fãs estão pensando. E quanto aos inimigos, eu já deveria ter uma casca de proteção já que sempre fui criticada. Acham que eu sou uma super mulher invulnerável. Mas eu não sou. Algumas ofensas me atacam direto e me machucam mesmo. Afinal, eu sou apenas uma mulher normal.

Por que você acha que polariza tanto o que faz?
Em muitos casos é inveja. Algumas pessoas simplesmente não suportam o fato de eu ainda estar aqui. E eu sou uma mulher que vai além, que escandaliza e polarizo. Muitas pessoas ficam doídas por isso. E isso que não entendo: porque gastam tanta energia para lidar com alguém que acham terrível e não gostam?

Desde o início você faz parte do grande circo do pop. Há momentos em que você se sente exausta e se pergunta se deve continuar?
Não, eu amo o meu trabalho. Tenho muitos ideais, planos e criatividade para parar agora.

Você às vezes fica triste em ver como o tempo voa?
Sim, à vezes eu realmente fico triste mas principalmente nostálgica. Sinto falta dos bons tempos, do início da minha carreira. Tinha grandes amigos, como Warhol, Haring, Basquiat. Vivi o início do break, grafite. Nova York era tão cheio de vida, um ajudava o outro. Nada era censurado, tudo era novidade, único e excessivo. Era um tempo maravilhoso. Hoje em dia muitas coisas ficaram boas mas também chatas.

Mas a sua vida continua! Em novembro você vai começar uma nova turnê mundial.
Se apresentar ao vivo na frente dos meus fãs é a melhor coisa para mim. Mas por outro lado é também um enorme esforço. Por isso eu treino tanto. Eu preciso estar em forma para poder dar o meu melhor a cada noite por meses.

O que você tem a dizer às pessoas que falam que você está velha para o showbiz e que você não se comporta pra idade apropriada?
Eu realmente não tenho resposta pra isso. (ela aperta um botão que está a seu lado que uma voz grita: “Duas palavras. Um dedo.”

Foda-se e o dedo do meio? Esse é o lado rebelde da Madonna!
Sim! Fico doente com esse racismo de idade em nossa sociedade. As mulheres com cinquenta anos deveriam sumir? Há alguma lei dizendo que nós não podemos nos aventurar e experimentar coisas? Que não temos permissão em nos sentirmos sexy e celebrar a sexualidade depois de atingir alguma certa idade?

Não, mas muitos acham que é vergonhoso ser sexy de uma maneira ofensiva depois de uma certa idade.
Isso não é problema meu. Eu nunca segui as regras, gosto de provocar e fazer com que as pessoas pensem. Se você não gosta, não assista, não ouça.

popse-tee

madonna-Alexander-nebegala-madonna