Canção Ray of Light completa 19 anos!

Sim, já faz tudo isso. O segundo single do homônimo álbum Ray of Light foi lançado no dia 06/Maio de 1998. Co-produzida por William Orbit, teve origem na canção Zepheryn, de 1971, da dupla Curtiss Maldoon. Madonna e Orbit modificaram os versos e toda a melodia/instrumental, resultando num grande hit que deu origem ao nome do próprio álbum. Na época, Madonna revelou que a versão original tinha mais de 11 minutos e ficou com muita pena por ter que editá-la para o álbum.

Com uma sonoridade completamente diferente do que já havia feito, utilizava muita guitarra e enaltecia sua bela voz, num alcance e potência jamais visto.

“O que torna Ray Of Light um dos melhores singles da Madonna é o fato de que é difícil para cantar, cheia de mudanças vocais e que exige uma força de notas nunca vista antes. Depois de ouvir pela primeira vez em 1998, eu sabia que Madonna tinha superado a si mesma. A canção leva o álbum a um novo nível. É realmente uma jóia techno e sempre com destaque em seus shows.”, dizia uma crítica da época

Foi indicado ao Grammy nas categorias Gravação do Ano, Melhor Canção Dance e Melhor Clipe, e ganhou nessas duas categorias. No MTV VMA de 1998 ganhou na categoria Clipe do Ano.

A Billboard elegeu a canção com uma das cinco melhores da carreira da Madonna, dizendo que a trouxe para “um novo capítulo na sua ilustre carreira”. A revista Rolling Stone a elegeu dentre as 50 melhores canções do mundo “com os vocais mais poderosos da Madonna até então”.

Nos charts fez bonito e estreou em 2˚ no mercado britânico por vender mais de 262 mil cópias. Na Billboard quebrou o recorde por vender na primeira semana mais de 73 mil unidades e entrar simultaneamente no 5ª lugar no Hot 100 e Hot 100 Singles Sales, além de conquistar a primeira posição no Hot Dance Music/Club Play. Ficou durante 20 semanas na parada. Ganhou o certificado de ouro RIAA por vender mais de 500 mil cópias.

O criativo vídeo, dirigido pelo amigo Jonas Akerlund, retrata o cotidiano de um dia completo numa cidade grande com edição em alta velocidade acompanhando a música. No dia 23/Junho foi lançado um VHS-single edição limitada de apenas 40 mil cópias, apenas com o clipe, sendo mais um item raro aos colecionadores.

O CD single foi lançado tendo como b-side a canção inédita Has To Be, que só existia até então no álbum lançado no Japão.

Ray of Light foi utilizada como trilha da campanha do Windows XP de 2001 e da Sunsilk/Seda de 2008 e também ganhou releitura no seriado Glee.

Outros cantores também já fizeram suas versões e homenagens. Em 2008, Madonna entrou para o Rock and Roll Hall of Fame e o cantor Iggy Pop cantou Ray of Light e Burning Up em homenagem. Ray of Light também foi cantada por Adam Lambert no VH1 Live, por Christina Aguilera no filme Burlesque e por Natasha Bedingfield. Há também uma versão em bossa nova.

Ao vivo, é uma das queridinhas da Madonna já sendo apresentada nas turnês Drowned World Tour, Sticky & Sweet e Confessions Tour e diversas apresentações ao vivo, como numa performance surpresa no extinto club Roxy em NYC, ao vivo no programa da Oprah, VMA 98, Live 8, Coachella e Live Earth.

Também está presente nas coletâneas GHV2 e Celebration, incluindo na versão em DVD.

Clipe oficial remix:

A canção Zepheryn que serviu para a criação final:

Tour

Apresentações ao Vivo:

Campanhas:

Windows

Sunsilk

Releituras:
Glee

Iggy Pop

Bossa’n’Madonna

Has To Be (faixa inédita)

Uma das versões originais de Ray of Light, antes de ser editada para o álbum:

CD Single:

Video-single limitado: