Entrevista o programa 'Dateline''


Madonna é uma obstinada em tudo que faz. Ela quer cumprir seu carma de uma forma boa. Ela pratica Yoga, faz dieta macrobiótica e é uma aplicada estudante de Cabala, uma forma mística de Judaísmo que precede qualquer tipo de religião. Madonna garante que sua vida mudou graças a essa sabedoria.



Lauer: Você chamou a Cabala de 'muito punk rock'...
Madonna: Yeah.

Lauer: Não entendi direito o que você quis dizer, será que pode me explicar?
Madonna: Para mim 'punk rock' é um pensamento liberador, pensar do lado de fora da caixa, do lado de fora do programa, fora do 'establishment'. Foi isso que quis falar.

Lauer: Você falou uma vez sobre a interpretação dos códigos do universo...
Madonna: Sim, o universo é coidificado. Não é incrível, que existam leis no universo, e que você pode descobrir cada uma delas e viver sua vida sendo regido por elas, ao mesmo tempo em que muda o mundo para muito melhor? Isso não é incrível?

Lauer: Então, quero te perguntar qual a sua religião...
Madonna: Não tenho religião, na vedade, não suporto essa palavra...

Lauer: Mas você já teve uma religião, certo?
Madonna: Sim, cresci católica, mas foi imposição da minha família...

Lauer: Então quando te perguntam qual sua religião, você responderia que não tem uma, que é uma mulher espiritual...
Madonna: Sou Cabala

Madonna com regularidade frequenta aulas no Kabbalah Center de Los Angeles, assim como seu marido, Guy Ritchie e a sua filha, Lola, de seis anos.

Madonna: Minha filha tem aulas de espiritualidade todos os domingos, ela aprende sobre dividir e compartilhar e sobre o poder das palavras. Percebo o quanto ela está mudando. Meu marido também está muito interessado em Deus, na Bíblia e em qualquer questão relacionada a esses temas. É um interesse que vem da base científica da Cabala que nos faz capazes de aprender as coisas de uma maneira prática.

Madonna estuda Cabala há sete anos, e a sabedoria ocupa um lugar tão importante em sua vida que ela preferiu entrevistar seu professor, Rabi Eitan Yardeni ao invés de seu marido Mr. Ritchie.

Lauer: Você consegue entender que a Cabala toma boa parte da vida dela?
Rabbi Yardeni: Absolutamente...

Quando o Rabi conheceu a Material Girl...

Lauer: Continue, Madonna...
Madonna: Comecei quando estava grávida de seis meses...

Lauer: "Okay, então você estava grávida. Qual era a imagem que você fazia da 'Madonna' quando você sentou e a conheceu pessoalmente?
Yardeni: Sinceramente eu não sabia muito sobre ela...

Lauer: Mas já tinha ouvido falar em 'Madonna'
Yardeni: Claro que sim, eu sabia quem ela era, mas não conhecia muito sobre sua vida. Sabia que ela era uma rebelde, e que essa era uma razão que podia tornar a Cabala um instrumento poderoso para ela.

Lauer: É óbvio que estamos vendo mudanças nela. Quais mudanças você vê em Madonna?
Yardeni: Não julga as pessoas, mais tolerante, com menos ego, mais humilde, com mais compaixão, menos reativa, e sendo capaz de ver 'o grande quadro' versus apenas reagir a dor e dificuldade na zona de conforto.

Lauer: Todos devemos nos matricular nessa escola! Sabemos que existem alguns estudantes mais aplicados que outros. Qual parcela dos alunos é assim?
Yardeni: Existem pessoas que conseguem aprender 1% da Cabala e que mudam suas vidas. Tudo é questão de como se aplicam os ensinamentos. A Cabala é para todos de acordo com seus níveis de capacidade.

Lauer: Madonna já falhou alguma vez?
Madonna: Tinha certeza que você ia perguntar isso...

Lauer: Por que não perguntaria?
Yardeni: Digo para você sem medo de errar. Madonna está no nível das pessoas que conseguiram mudar suas vidas.


MADONNA, A ESTUDANTE

Madonna também é uma dedicada estudante de música. Ela se apaixonou por violões após ganhar um presente de seu marido quando estava grávida de seu segundo filho, Rocco. Ela continua a receber aulas regulares do professor Monte Pittman, desde o começo.

Lauer: Se eu conseguir tirar 3 notas (no violão) em uma aula será algo fantástico pra mim...
Madonna: Escute, se te inspiramos a aprender tocar violão, vá em frente. Você tem uma natureza competitiva? "

Lauer: Sim, muito...
Madonna: Bem, olha pra mim, sou uma garota, e sou melhor que você no violão? Ok, você não gosta de competir...

Lauer: Qual nota você se dá?
Madonna: "C."
Monte Pittman: "B."
Madonna: Hey, não sou uma aluna "B"

SOBRE AS CRÍTICAS E FAMA

Ela está além de uma super-estrela. Ela está além do estado de ícone. Mas neste dia, Madonna está tão acessível que distribui autógrafos para seus fans. Mas mesmo assim, apesar de ter alcançado o topo das vendas, ela precisa divulgar seu produto, neste caso, o álbum "American Life". Neste momento, os críticos falam que Madonna tem que desesperadamente se ligar novamente ao público mais jovem. Um artigo apimentado do New York Times definiu Madonna como "instituição e rebeldia, porém uma diva evelhecendo". O artigo fala das vendas em declínio, e praticamente encerra sua carreira.

Lauer: Qual sua relevância para o público consumidor agora?
Madonna: Obviamente você leu o NY Times...

Lauer: Li o artigo, e era o que ele estava falando basicamente...
Madonna: Sou irrelevante...

Lauer: Falaram que você estava com dificuldades em se conectar com o público-alvo que compra CD´s...

Madonna: Bom, e daí?
Lauer: Você concorda?

Madonna: Não sei... Não vejo as coisas da forma como foram escritas nesse artigo. No final de sua carreira, qual foi a relevância de Aretha Franklin? Qual foi a relevância de Frank Sinatra? Qual a relevância de todos os artistas? Você precisa se enquadrar em um padrão e ter apelo para uma audiência específica para ter relevância na indústria da música? Isso é um absurdo. É desrespeitoso e absurdo.

Ela se preocupa com as 'Princesas do Pop' fazendo de tudo para conseguirem atenção e vendas?

Madonna: Não estou tentando atrair as pessoas que Britney ou Christina exercem apelo. Não tento fazer isso. Faço somente o que tenho vontade...

Lauer: Você gostaria de fazer com que os jovens de 17 anos comprassem seus CDs?
Madonna: Claro

Lauer: Mas você tem a idade dos pais deles...
Madonna: Grande sacada! Um dia Britney Spears terá a idade dos pais dela. Isso é uma coisa absurda para se dizer. Não vejo as coisas assim. Quero que as pessoas de todas as idades estejam interessadas em minha música, sim. Apenas por uma razão, ou melhor, duas... A primeira é que tenho mensagens muito pertinentes e gostaria de passá-las. Se as crianças ouvirem, vai ser o máximo. A segunda é que quanto mais eu vendo, mais dinheiro eu ganho, e mais ainda posso ajudar outras pessoas.

Lauer: As pessoas as vezes ouvem seu nome 'Madonna' e se perguntam por que você ainda é tão famosa...
Madonna: Essa é uma questão para eu responder?

Lauer: Me responda, por que você acha que continua tão famosa?
Madonna: Por que está me fazendo essa pergunta?

Lauer: Por que é tão famosa? Por causa da auto-promoção?
Madonna: Por que? Ah, por favor, auto-promoção. Uma vez famosa, sempre famosa. Eu acho, olhe Marilyn Monroe já morreu há anos e continua famosa...

Lauer: Certo, talvez fama seja a palavra errada. Mas existe tanta gente com tanto talento como você ou talvez um pouco menos...
Madonna: Eu duvido que existam (risos)

Lauer: Você começou nesse negócio com pessoas que não falamos mais sobre elas. Por que continuamos a falar de você?
Madonna: Sei lá, pergunte aos outros, não pra mim... Não estou aqui para falar dos outros. Eu continuo dizendo o que quero dizer, e se as pessoas querem ouvir, bom, isso é ótimo.

Ela continua sendo Madonna, continua fazendo do jeito dela e para todos os críticos que questionam seu estilo, seus filmes e sua relevância, pensem nisso: São 20 anos desde que lançou seu álbum de estréia, e ela continua com força total. "American Life" está no topo das paradas do mundo inteiro, e como um fan certa vez falou "Madonna estará acabada quando ela disser que acabou tudo".