Madonna respondeu as diversas perguntas que lhe foram feitas ontem na coletiva de lançamento de Confessions on a Dance Floor em Tóquio, para as centenas de jornalistas presentes.

Entre muitas "coisinhas" confessou estar extremamente feliz por voltar ao Japão pois é um lugar que têm muita influência em sua vida e trabalho. Sua última visita ao país foi há 12 anos, em 1993, com a turnê "The Girlie Show".

Confessou que a palavra gomen nasai (que em japonês significam "sinto muito") que é citada na canção "Sorry", aprendeu com seu cozinheiro japonês. Aliás, revelou que ele a acompanha pelo "mundo" a fora. "Eu amo comida japonesa. Tenho um cozinheiro japonês que me acompanha onde eu estiver. Eu provavelmente como mais comida japonesa do que você", disse rindo.

Sobre a ótima forma no alto de seus 47 anos disse que grande parte é da cozinha oriental.

"Sempre fui muito interessada na cultura japonesa. Alguns de meus vídeos e apresentações ao vivo foram inspiradas no cinema japonês, artes marciais, na música e moda oriental, e também na comida!"

Comentou novamente que pretende trabalhar ainda na direção de filmes e quer uma "história de amor que inspire as pessoas". E com uma bela trilha-sonora? "Óbvio", disse.

Também falou mais sobre a polêmica por trás da canção "Isaac" (em outubro, os rabinos que guardam o legado do rabino Isaac Luria fundador da Cabala acusaram-na de romper um tabu ao usar o seu nome na canção "Isaac". Na época ela desmentiu e disse nem conhecer tal cidadão).

"Acho que, assim que você tem uma opinião que é fora do que é considerado o modo convencional de pensar assim que você começa a pensar fora disso, você é considerada polêmica", disse ela em uma entrevista coletiva em Tóquio, onde está promovendo o novo disco.

"Acho que gosto de fazer perguntas, gosto de desafiar a autoridade, e muita gente vê isso como polêmico."