Promovido pela AOL, Madonna foi entrevistada por Anthony Kiedis, o vocalista do Red Hot Chili Peppers.

Falou sobre diversas coisinhas, como a inspiração para o novo álbum, a polêmica envolvendo o nome de Yitzhak Luria e a responsabilidade de ser considerada uma das mulheres mais poderosas do mundo.

Sobre sua volta às pistas de dança, Madonna explicou que, com a sonoridade de "Confessions On A Dancefloor", procurou "algum alívio por toda a insanidade que está acontecendo no mundo".

Giorgio Moroder, Chic, Sister Sledge, Kraftwerk, Pet Shop Boys e ABBA são alguns dos artistas que Madonna ouviu enquanto compunha para o álbum: "Gosto de escrever num bloco de notas, deitada no chão. Gosto de recriar o meu passado, quando vivia em casas sem mobília e não tinha dinheiro, nem fazia idéia de como é que aquela vida ia me levar. Gosto das coisas simples e cruas, como o sushi!".

Quanto às acusações de desrespeito pelo estudioso da Cabala Yitzhak Luria, Madonna esclareceu que são infundadas: "A canção ['Isaac'] não é sobre Yitzhak Luria. Isaac é o nome do homem que canta na música. Chama-se Isaac Sinwany, é do Iémen e está vivo. Vejo-o muitas vezes e tem uma voz espectacular. É só um amigo".

"Gostaria de saber porque é que os rabinos quiseram tanto investigar mesmo antes de o disco sair. Não sei o suficiente sobre Yitzhak Luria para escrever uma canção sobre ele. Nem sei o que poderia escrever"
.

Uma reflexão sobre a posição de estrela: "Sinto uma grande responsabilidade. Finalmente, sinto que sei porque é que faço as coisas que faço e porque é que recebi os dons que recebi. Tenho uma voz e quero usá-la da forma correta - não só para entreter como para também inspirar".

Para conferir a entrevista na íntegra, clique aqui