new york magazine

Madonna conversou com a revista "New York Magazine". Na entrevista ela aborda uma série de assuntos muito interessantes, além de falar mais um pouco sobre "I am Because We Are" e defender Tom Cruise, dizendo que julga pessoas por serem boas e não por suas crenças.
Nós ficamos um pouco incomodados de ouvir que você não acha mais Nova Iorque excitante.
As pessoas têm que parar de levar tudo ao pé da letra. Eu estava me referindo a quando cheguei em Nova Iorque e à convergência da música e arte meus amigos eram Keith Haring, Andy Warhol e Jean-Michel Basquiat. Existia uma conexão louca de arte e vida para mim e não vejo muito mais disso em Nova Iorque.

Não é tão ruim atualmente.
Não estou dizendo que não existem pessoas interessantes fazendo coisas interessantes. Estou mais sendo melancólica.

Você acha que conseguiria vencer em Nova Iorque hoje em dia?
Acho que seria quase impossível. As gravadoras estão praticamente extintas.

Falando sobre os anos 80, você foi uma das primeiras estrelas pop a falar a respeito da AIDS mas nunca ouvi você discutir sobre qualquer conexão entre isso e seu trabalho no Malauí. Existe alguma?
Muitas. Uma é que eu mesma me sinto como uma criança sem mãe. Cresci desse jeito. Mas também o fato de ter me sentido sem esperanças pela epidemia de AIDS que varreu Manhattan e levou a vida de muitas pessoas que eu amava, e ter visto o quanto estigmatizada a comunidade gay foi. Isso me assustou.

Hoje em dia você é "expert" em Malauí mas quando a ativista Victoria Keelan te telefonou pela primeira vez para você se envolver na causa você disse que nem sabia onde o país se localizava e então ela desligou na sua cara. As pessoas não desligam muito na sua cara, desligam?
Eu achei que foi impudente. Ela me achou um pouco impertinente no começo, tipo, "Você está fazendo perguntas estúpidas, quer ajudar ou não?". E ela estava absolutamente certa.

No filme, você olha para um ritual onde dizem para uma jovem mulher que ela deve ter relações sexuais com um homem três vezes por dia para "limpar-se".
Não estou lá para julgar essa tradição mas, conversar com o líder de um vilarejo e perguntá-lo se tem noção que isto está espalhando uma doença mortal e ele responder que sim mas que não há nada que possa fazer é frustrante. Mas nós jogamos bombas nas crianças durante guerras então, oras, quem está praticando magia negra?

Você a Angelina Jolie ganham muita publicidade com seus trabalhos de caridade. As pessoas dizem que é uma moda passageira.
Não é só com celebridades. Eu acho que as pessoas ficam estranhamente suspeitas com pessoas que querem fazer algo bom.

O documentário mostra seu filho David antes de você tentar adotá-lo. Como foi o primeiro encontro?
Basicamente ele ia ao banheiro sozinho. No outro dia, claro, você tinha um caminhão cheio de fraldas. Soa batido mas, ele tem esses olhos grandes, brilhantes, inteligentes e atentos, e eu me senti conectada com ele.

O terreno legal para a adoção foi obscuro, gerando controvérsias [o tribunal está marcado para renovar a questão esta semana]. Enquanto isso, um professor britânico criou o termo "efeito Madonna" para descrever ocidentais que fazem adoções internacionais, supostamente ao gasto de crianças locais.
Legal. Essa é uma pessoa irritante. Você sabe, não existe uma crise de AIDS na Inglaterra, sim, existem crianças que precisam ser adotadas aqui e no Reino Unido mas nenhuma vai morrer num orfanato na América.

Houve certa controvérsia também a respeito das ligações entre o Centro de Cabala e seu grupo de ajuda, Raising Malawi. Você poderia explicar essa conexão?
Estudar Cabala me inspirou em entender que o mundo não gira ao meu redor. Quem sabe se eu teria me envolvido na causa caso contrário? Mas Raising Malawi é uma entidade separada totalmente voltada para crianças na África Subsaariana.

Tom Cruise esteve recentemente no evento para levantar fundos. Você se simpatiza com ele?
Sim. Eu não me preocupo se as pessoas adoram tartarugas ou sapos - se elas são boas pessoas, isso é tudo o que me preocupo e ele é uma pessoa boa. Eu acho que ele é tratado injustamente, igual acho que os órfãos no Malauí e as pessoas marginalizadas são.

Me fale a respeito do diretor do seu documentário, Nathan Rissman. Este é o primeiro filme dele. Ele é seu amigo?
Ele é o marido da minha babá par ate falar a verdade. Quando Nathan apareceu não poderia ficar por aí, ele precisava de um trabalho. Ele fez filmes inteligentes no Quick Time dos meus filhos e mandou para mim por e-mail quando eu estive em viagens. Então quando este projeto surgiu não houve dúvida. Ele fez de tudo, de jardineiro a manusear a câmera para tomadas dos bastidores. Ele nunca disse: "Não vou ao Starbucks - sou muito bom para isso".

Você também acabou de dirigir seu primeiro filme e quase soa mais interessada em filme do que música.
Sim. Na verdade, tenho um álbum novo para promover e isso é ótimo mas amei ir ao Festival de Berlim, foi a primeira vez na minha carreira que ninguém me perguntou uma questão pessoal. Quando você é uma estrela pop todos se sentem no direito de saber a cor da sua roupa íntima.

Bem, no seu novo álbum, Hard Candy, você canta sobre a boa vida sexual com Guy Ritchie. Se você fizesse um filme sobre isso, poderia receber algumas questões como esta.
Bem, se elas estão no filme [que eu dirijo], eu não vou ter que dizer essas palavras, irei?

O vídeo do seu novo single "4 Minutes" é uma provocação: você e o Justin quase se arrastam para a cama, você dança, monta nele e dança de novo...
É para ser uma provocação. Você tem somente quatro minutos para salvar o Mundo. Não há tempo para comportamento fútil.

Então você não estava tirando sarro da expectativa de que beijaria o Justin depois de beijado a Britney?
Não.

A letra "The road to hell is paved with good intentions" (o caminho para o inferno está cheio de boas intenções) tem a ver com seu trabalho de caridade?
Não, é sobre "Eu entendo essa opinião que adotei ou este "Zeitgeist" (sentimentos ou tendências morais e intelectuais de uma época) do qual me permiti ser influenciado?" Por que você pode ter as melhores intenções mas não ter informação o bastante e cometer grandes erros.

Qual candidato a presidência você acha que cometerá menores erros?
Tenho esperanças em um dos candidatos.

Mas você não pode falar sobre ele por que o marido da outra está no seu filme?
Isso não é legalhumna verdade sou fã dos Clintons e do Obama. Isso sou eu sendo política - eu deveria concorrer às eleições!