tv ProSieben

E agora você confere mais uma entrevista feita para divulgação de "Hard Candy" Essa foi para o canal a cabo alemão ProSieben. Confira:

Neste álbum você trabalhou com artistas de sucesso do R&B como Timberlake, Timbaland e Pharrell. Você quis fazer algo diferente novamente após todas suas batidas dance, pop e electro?
M: Sim. Obviamente, Timbaland, Justin e Pharrell têm muitas músicas que você escuta o tempo todo nas rádios e eu me inspirei nas músicas deles e pensei comigo mesma que nunca tinha trabalhado com eles, que são ótimos letristas e adoraria tentar algo.

Como você fez? Você simplesmente os telefonou ou você estava gravando, escrevendo algo?
M: Não é algo que acontece do dia pra noite. Você tem que conhecer as pessoas quando você faz música com elas mas acho que eles sempre quiseram trabalhar comigo e eu com eles e ficamos enrolando até finalmente acabar fazendo algo. Nós tivemos que nos acostumar uns aos outros.

Foi difícil? Tipo, três homens difíceis...
M: Sim, quatro divas juntas... Nós não trabalhamos os quatro juntos o tempo todo. Eu fiz metade do trabalho com Pharrell e outra metade com Timbaland e Justin. Foi diferente para mim pois eu geralmente trabalho com produtores que estão nos bastidores da música, eles não saem em turnê, não fazem seus próprios discos, eles não são estrelas. Nós tivemos que nos acostumar com a energia um do outro, todos eles têm opiniões fortes e eu também. Foi uma questão de se ajustar e acabou dando certo.

Soa fabuloso. E podemos ouvir o seu som e o do Timbaland, eu amo o último álbum do Justin. Especificamente "4 minutes" é uma grande música e eu senti quando ouvi que você queria levar as pessoas para fora para se arriscar, é esta sua mensagem pessoal nessa música?
M: Sim, eu acho que as pessoas estão chegando num estágio em que percebem que o mundo em que vivemos está num estado de mudança, não podemos mais ignorar isso, mas não quero paralisar as pessoas, você tem que inspirá-las para se envolverem e fazerem a diferença, então essa música é para colocar as pessoas de pé e envolvidas com o mundo ao redor.

Eu ouvi hoje outras canções do álbum e só pude ouví-las uma vez e as músicas que mais me impressionaram foram "Devil", "Shes Not Me" e "Incredible" por que são tocantes e especialmente as mulheres se identificam com elas. Essas são experiências pessoais que você quis compartilhar ou você acha que simplesmente tocam todas as mulheres?
M: Eu acho que as duas coisas. Eu acho que toda mulher experimenta todas as emoções que estão nessas músicas, eu acho que todas nós já fomos enganadas alguma vez, deixadas e abandonadas, sofremos perda e dor de amor e tivemos certeza que tínhamos as pessoas com as quais estávamos envolvidas e quisemos tornar as coisas do jeito que eram. A música "Incredible" é sobre perceber de repente o quanto você admira alguém e o quão incrível essa pessoa é. É sobre não ser levada a sério e não levar pessoas a sério, o que somos todos culpados de acontecer.

Você disse antes que tem opiniões fortes e é verdade, mas isso é bom e é por causa disso que você é tão talentosa. Quando se olha para sua carreira de 25 anos você sempre lidou com temas diferentes importantes como religião, política, raça, liberdade sexual. Qual é sua declaração pessoal com esse álbum?
M: Eu acho que é a idéia de responsabilidade, tipo, "4 Minutes to Save the World". É por isso que quisemos que fosse o primeiro single, pois é sobre acordar para o mundo que está a seu redor, todos temos nossa parte e lugar nele, temos que fazer algo e fazer parte da solução do problema.

Ouvi bastante dance na música também.
M: Nós também queremos nos divertir enquanto estamos salvando o Mundo

Exatamente, quando você presta atenção na música, tem diversão.
M: Sim, não é tão sério e sofrível. Você precisa estar atento. Eu me considero uma ativista mas também quero me divertir. Todos somos seres humanos.

O quão importante é dançar para você?
M: Extremamente importante. Eu danço quando me exercito, quando faço meus shows, amo ver as pessoas dançar, estudei dança por anos enquanto crescia. Diria que dança e música são partes importantes da minha vida. Acho que dançar é uma forma bastante libertadora de expressão para todos. Quem que não gosta de dançar?

Os homens alemães são travados.
M: São? Talvez eles mudem depois de ouvir meu álbum.

Depois da sua música "Hung Up" eles começaram. Estão ficando melhor. (Ambas rindo). Justin Timberlake é um jovem bem sucedido que tem feito música por um bom tempo e você já trabalhou com outros artistas jovens como Britney Spears e tenho certeza que fará com outros no futuro. Como você os escolhe? Você escuta suas músicas?
M: Sim, eu trabalho com pessoas das quais o trabalho eu gosto. Simples assim.

Sabia, eu cresci na África.
M: Em qual lugar?

Na Nigéria, África ocidental. Meu pai vive lá. Eu adoro música africana. Você gostaria de colocar algumas batidas africanas na sua música?
M: Sim, por que não? Na verdade, nas minhas viagens à África eu gravei várias músicas indígenas que ouvi e as amei, são bastante inspiradoras.

Já que você é a rainha da moda, quando você olha para todos os vídeos que fez, especialmente por que você sempre lança tendências, todo mundo quer usar o que você usou em um vídeo. Em "Music", a cowgirl e o chapéu de cowboy, ou então o visual dance. Qual foi o figurino que você mais gostou?
M: O figurino que mais gostei? Eu não sei. Eu acho que gostei bastante de usar o colan/body, é fácil de colocar e tirar. Eu gosto de várias das minhas roupas, gostei bastante da época cowgirl. Toda vez que vou fazer um turnê ou lançar um disco eu sempre tenho o privilégio de trabalhar com fantásticos designers, seja o Gaultier, Dolce & Gabanna...(Christian Lacroix - diz uma voz ao fundo) oh, sim, Christian Lacroix, ele fez corseletes fantásticos que usei na minha Re-invention Tour. Eu consigo colaborar com designers fantásticos.

Existe algum figurino que você jamais usaria novamente?
M: Bem, no final das minhas turnê eu jamais quero usar meus figurinos de novo, então qualquer coisa que tenha usado não quero usar mais.

Você não os guarda?
M: Claro que sim.

Sua coleção da H&M foi um imenso sucesso na Alemanha, todo mundo usou. Como você se sente com milhões de mulheres usando suas roupas e imagina lançar uma nova coleção?
M: Eu gostei de desenhar roupas para H&M e ainda vejo pessoas em Londres usando roupas que eu fiz, lenços, peças pequenas. Eu gostei, mas é algo que consome bastante tempo. Quando terminei pensei comigo mesma que para fazer isso tem que ser um trabalho de tempo integral, tem que ser levado a sério. Não sei como designers conseguem fazer ano após ano, é bem desafiador.

Como você faz? Você faz diversas coisas ao mesmo tempo.
M: Sim, mas eu não faria de novo se não tivesse um bom espaço de tempo livre pois não teria idéia de quanto tempo iria levar. Se você quer prestar atenção nos detalhes e quer algo de qualidade que realmente é uma expressão de quem você é tem que trabalhar duro e colocar bastante tempo e esforço.

Como você acha o seu estilo?
M: É uma combinação de coisas, trabalhar com estilistas, ver o que as pessoas estão usando nas ruas. Minha filha é uma grande influência.

Em você?
M: Sim, ela tem um grande senso de estilo.

Absolutamente, na Alemanha, adolescentes têm sua filha como ídolo da moda.
M: Oh meu Deus, não vou dizê-la isso. (Risos).

Você não gosta?
M: Ela é estilosa mas não vou dizê-la pois ela foca muito em roupas.

(Voz ao fundo - Você tem mais cinco minutos)

Com sua música sempre há uma tendência e especialmente quando vemos seus vídeos, existem uma mensagem com suas roupas neles. Para onde você acha que as tendências estão caminhando? Você vê algo quando pensa em estilos, o que vai surgir, o que vai virar moda?
M: Para onde acho que a moda está caminhando?

Sim.
M: Eu sou a pessoa errada pra perguntar por que não presto muita atenção em moda, acredite ou não.

Então você vê algo e simplesmente gosta?
M: Sim. Eu gosto de roupas antigas e novas também. Gosto de tudo.

Você faz diferentes sons. Existe algum músico que você realmente admira? Tipo, todo mundo diz que admira você, existe alguém que você.
M: Um artista que eu realmente admiro?

Sim.
M: Hummmm, sim, hummm. Alguém precisa me ajudar com essa questão. (Voz ao fundo - David Bowie) Quando era jovem as pessoas que realmente me inspiraram foram David Bowie, Debbie Harry e Chrissie Hynde do Pretenders. Hoje em dia as pessoas que me inspiram musicalmente geralmente são artistas mais velhos que não estão nem mais vivos então não sei se sou necessariamente inspirada por pessoas do mundo pop com exceção daquelas com as quais eu trabalho, Pharrell, Justin e Timbaland, eles são incríveis e diversos como artistas. Oh, Prince é um artista incrível, quem mais? Eu amo as músicas do Radiohead.

Quando você estava no estúdio com Pharrell, Justin e Timbaland, como foi? Você passou muitas horas, noites, dançou com algumas das músicas que começou a gravar?
M: Sim, todas as opções. Passamos muitas horas lá, eles gostam de trabalhar tarde, o que foi difícil para mim pois gosto de trabalhar cedo e voltar para casa cedo pois tenho crianças e eles não têm, então sempre houve um esforço a respeito das horas em que estaríamos trabalhando. Trabalhamos longas horas seguidas pois Pharrell tinha pequenos períodos de tempo para fazer o trabalho e, quando terminávamos uma faixa, a tocávamos realmente alta e, se não desse para dançar, não entraria no álbum.

Qual é a sua música favorita no álbum?
M: Minhas músicas favoritas são "Candy Shop", "Miles Away" e "Devil Wouldn't Recognize You".

(Próxima questão - voz ao fundo)

Uma questão sobre estilo de cabelo. Você fez alguns vídeos com cabelo loiro comprido. Acho que você disse uma vez, talvez não seja verdade, Marilyn Monroe, que você gosta do visual dela. O corte de cabelo que você mais gosta, tem a ver com inspiração dela?
M: Certamente ela é uma das minhas inspirações mas eu já fui inspirada por muitas mulheres e tipos de cabelos. Eu acho que ela foi uma maior inspiração para mim no começo da minha carreira, não tanto agora.