<< turnês

A rainha voltou aos palcos após 3 anos, deixando todos boquiabertos com a nova produção.

Madonna quis agradar totalmente os fãs montando o repertório só com clássicos de sua carreira e seu último álbum, American Life.

"Madonna já começou seus ensaios e não vê a hora de voltar aos palcos recriando suas proprias músicas, desde os primeiros hits aos atuais." disse a empresária Caresse Henry pouco antes de Madonna cair na estrada.

"Não há duvidas de que esta turnê será a maior e melhor apresentação ao vivo de toda a história", complementa.




 

Essa foi a maior turnê de Madonna. Fez nada menos que 54 apresentações em 20 cidades diferentes e passou por 7 países.

A Billboard concedeu o título de turnê mais lucrativa de 2004 com exatos 124.790.787,00 milhões de dólares de arrecadação.


Havia um boato de que a turnê chamaria-se The Whore Of Babylon (A postituta da Babilônia), porém foi desmentida pela própria Madonna em entrevista

O palco foi planejado por Madonna e diretor de palco Jammie King. Ele mostrou o palco em miniatura, dentro de uma caixa de sapatos Gucci à Madonna. Meses depois o palco estava pronto, em tamanho real.


Dias antes do lançamento oficial da tour (roteiro, ingressos, etc), foi publicado em diversos jornais nos EUA e Europa teasers com títulos de músicas que estariam no setlist.


No logotipo, as treze esferas representam a perfeição. O treze para a Cabala significa ir acima das influências e aperfeiçoamento.


As fotos de divulgação foram feitas no dia 4 de março pelo fotógrafo Steven Klein, que foi o responsável pelo livro e a exposição X-STaTIC Pro=CeS , e, conseqüentemente, o ensaio para revista W. Elas ilustram o tourbook oficial e os pôsteres da turnê.


O logotipo oficial e a direção de arte em geral foram assinados pelo designer BRASILEIRO Giovanni Bianco. Ele também foi o responsável pela direção de arte na seção de fotos X-STaTIC Pro=CeS.


O tourbook, livro oficial da turnê, possui diversas fotos exclusivas e informações técnicas sobre o show e foi vendido nas casas de shows, durante as apresentações.

 

De acordo com o "amigo especial" do MadonnaOnline, Greg, um dos homens por trás da carreira de Madonna, na cidade de Londres, estas são as canções que quase entraram no setlist da re-INVENTION Tour, porém, foram abandonadas por dificuldades técnicas.

  • Nothing Really Matters entraria em seqüência a Nobody Knows Me com coreografia semelhante (alguns passos de dança foram aproveitados por Madonna). Jamie King desaconselhou o uso da faixa, por achar que duas músicas em performance solo, na esteira rolante, ficaria muito cansativa, então, Frozen entrou na seqüência, para quebrar o clima festivo. O bloco 'corselete francês' teria 4 canções. As imagens dos telões mostrariam a letra da música, enquanto que, originalmente, nas imagens de Nobody Knows Me seria feito um clipping com fotos de toda a carreira de Madonna, que achou muito 'auto-celebrativo'.

  • Material Girl entrou no setlist aos '45 do segundo tempo', já que, definitivamente Madonna 'Não gosta da música. Originalmente Dress You Up finalizaria o bloco guerra, porém, Madonna demorava demais para aprender a tocar a música na guitarra. Material Girl foi sugestão de Jamie King.

  • Take A Bow chegou a ser ensaiada, e emendaria com Mother And Father. Madonna achou mais conveniente usar Intervention que seria uma homenagem a seus filhos e fecharia um ciclo que fala dela e da família.

  • Bad Girl, Ray Of Light, Easy Ride e Love Profusion chegaram a ser ensaiadas.

  • Existia a possibilidade de Love Profusion entrar no setlist Europeu!

  • O nome re-INVENTION foi sugestão de Guy Ritchie. Outros nomes para a tour seriam "Ground 0" e "Nobody Knows Me".

 

Em uma reportagem ao site da empresa MOTU, uma fabricante de equipamentos musicais como teclados, Mike McKnight, o programador/tecladista do show, que já havia trabalhado nas turnês The Girlie Show e Drowned World Tour e ajudou a produzir todas as canções dessa nova turnê, revelou algumas curiosidades: os arranjos utilizados em cada música foram feitos através de equipamentos de última geração (da marca MOTU), e todo o show é sincronizado via computador (2 Power Mac G4, 466 MHz).
Diversas fotos desses equipamentos ilustraram a entrevista, entre elas está o rascunho das canções da turnê. Pode-se ver claramente que Material Girl entrou como última opção, pois no lugar dela foram ensaiadas I'm so Stupid e também Dress You Up


Todo os bastidores da turnê foram filmados, assim como o dia-a-dia de Madonna com seus filhos, marido e sua vida com a Cabala. Tudo faz parte do documentário que será lançado em 2005, em Cannes. Baseado no seu primeiro documentário, Na Cama com Madonna, o novo tem a direção de Jonas Arkelund, o mesmo que já dirigiu os clipes de Ray of Light, Music e o polêmico American Life.


Dias antes da estréia da tour, Madonna revelou alguns detalhes ligando para o Total Request Live, da MTV Americana (um Disk MTV deles). "Juntaremos novo e velho. Farei um balanço de toda minha carreira como nunca foi feito antes. Pois assim tem que ser a vida. Estou constantemente crescendo e evoluindo. Quero fazer as coisas mais antigas de um jeito totalmente novo. Este é o foco de todas as performances onde as canções foram interiamente remixadas."


Pela primeira vez em um show de Madonna, há uma área VIP no próprio palco. Trata-se de poucos privilegiados (cerca de 20 em cada lado) que conseguiram ver Madonna localizados bem na lateral do palco, quase tocando-a, não fosse a discreta proteção de vidro. "Queria dar a oportunidade dos meus maiores fans me verem realmente de perto. Os lugares para eles serão bem pròximos do palco. As pessoas especiais merecem ver o show de uma forma que ninguém mais assistirá."


Madonna apresentou a re-INVENTION TOUR dias antes da turnê estrear, reunindo um seleto grupo de amigos e pessoas próximas, como Guy Ritchie, seus filhotes, o fotógrafo Steven Klein, o designer gráfico Giovanni Bianco, as jornalistas brasileiras Érika Palomino, Joyce Pascowitch, entre outros.


A estréia do show, no dia 24 de maio em Los Angeles, foi concorridíssima. O público era formado por milhares de fãs e jornalistas, que elogiaram, e muito, o novo espetáculo.

 

Apenas alguns minutos depois do show, Madonna falou ao canal ExtraTV como se sentia ao voltar aos palcos: "Quero ver o mundo pegar fogo. Tenho muita coisa pra dizer", falou taxativa.

Disse que está falando diretamente aos fans, e usando suas músicas mais representativas para mandar mensagens: "Este é o conceito do show. Eu peguei as músicas e as reinventei, e assim as cada uma delas ganhou um significado totalmente novo", esclareceu.

Sobre futuros projetos, disse: "Será que ainda tenho que prometer um disco novo? As pessoas não querem ir a um bom show?", ironizou.

Guy Ritchie revelou que seu momento preferido do show: "Foi a parte escocesa, mas que todo o show era muito bom." Into the Groove é a homenagem de Madonna a Guy, que é escocês. Disse também que Madonna nunca pára para descansar: "ela não vai parar de fazer shows, não acho que vá diminuir o ritmo nunca", observou.

Já para a grande amiga de Madonna, Debbie Mazar,: o concerto inteiro foi acima da média, especialmente "a projeção dos vídeos e a forma como ela consegue se colocar em um filme e cantar e ser uma grande entertainer".

 

Todos os ingressos para os shows se esgotaram em pouquíssimas horas, sendo considerada a turnê mais concorrida e disputada de 2004.


Madonna teve cancelou o segundo show da re-INVENTION TOUR que aconteceria no dia 25 de maio. A alegação foi um problema gástrico. Mas o que os boatos diziam é que Madonna não ficou satisfeita com o show de estréia e, perfeccionista, preferiu ensaiar um dia a mais para continuar a agenda normalmente.


O palco possui uma enorme estrutura e é formado por diversos telões gigantes que se movimentam de um lado para o outro. Confira abaixo uma demonstração feita por nós, de como o palco funciona:

Madonna sempre teve em seus shows a presença garantida das backing vocals Niki Harris e Donna Delory, mas nessa turnê apenas Donna Delory foi contratada. Niki deu um comunicado em seu site oficial dizendo que sequer foi chamada para cantar. A cantora que está em seu lugar é a Siedah Garrett, que já trabalhou como backing vocal de Madonna no álbum True Blue.


Nada menos que 12 bailarinos fazem parte do espetáculo e foram selecionados no começo de fevereiro entre centenas de outros canditados. 1 Skatista profissional também faz parte da equipe.


Stuart Price, também conhecido como Jacques Lu Cont, é o diretor musical da turnê. Stuart trabalhou com Madonna na Drowned World Tour, além de ter colaborado na canção X-Static Process. O último trabalho com Madonna foi o arranjo e produção do MARAVILHOSO remix de Hollywood chamado Thin White Duck Mix, que foi a versão usada na antológica performance do VMA's 03. LuCont possui projeto chamado Les Rhythms Digitales e está por trás também da produção de sucessos como Its My Life do No Doubt.


Jamie King, que já trabalhou anteriormente com Madonna como dançarino no video de Human Nature, e diretor de palco/coreografias na Drowned World Tour, desempenha novamente a função de responsável pelas coreografias da nova tour.


Nenhum show da re-INVENTION Tour foi agendado para as sextas-feiras. A explicação está no Judaísmo, ou melhor, na Cabala. De acordo com os ensinamentos cabalísticos, durante o período que vai do anoitecer da sexta até o anoitecer do sábado, o chamado 7º dia, o mundo espiritual se une ao mundo físico. É o famoso Shabbat. Energias específicas estão disponíveis nesse dia, e é possível através delas e de outros rituais pôr fim ao caos de nossas vidas!


Madonna não quis saber de andar de ônibus ou dormir em hotéis durante a turnê. Enquanto esteve fazendo shows nos Estados Unidos, Madonna voltava para casa todas as noites em um jatinho particular. Ela teria insistido em dormir em sua casa em Los Angeles depois das datas na Costa Oeste e em seu apartamento em Manhattan após os shows no Nordeste americano. Para as datas da Flórida, ela ficou na casa de amigos em Miami. Em Londres, também voltava pra sua casa.


Dizem que Madonna, a educadora, impôs uma multa para cada vez que algum integrante do grupo falar um palavrão. O valor cobrado é de US$ 5 por palavrão falado por dançarinos, músicos e roadies. De acordo com sua assessora de imprensa, Liz Rosenberg, a própria Madonna já teve de colocar bastante dinheiro na caixinha. :)


Madonna teria exigido a entrega de 25 caixas de água benta da Cabala para um show na Irlanda. A pop star recusa-se a beber qualquer coisa que não seja a água do movimento místico judaico, que muita gente chama de culto.


A cantora dava cursos rápidos de Cabala nos bastidores da tour e tentava convencer a equipe a rezar.


Em sua lista de exigências no camarim, também inclui vodca, que seria usada para tirar manchas das roupas.


Uma outra exigência é uma sala de meditação, que seria um quarto silencioso para poder meditar durante uma hora antes de entrar no palco. As paredes eram revestidas da cor verde, a prova de som e possuia no chão várias almofadas macias. "Ela não quer ouvir nem uma mosca fora e (a sala) deve ser verde, a cor mais propícia para a meditação. Ela chama de seu quarto de paz", comentaram as fontes.


Madonna falou sobre a sua versão do clássico de John Lennon, Imagine que canta no show: "Queria fazer algo político e esta canção é definitivamente 'a música' que fala sobre Paz. Queria muito ter escrito, o que é uma besteira minha, mas tentei fazer o melhor que consegui. É muito importante que existam coisas sendo projetadas atrás de mim, durante a performance. Fotos e imagens de crianças mostram o quanto elas estão envolvidas diretamente nesse caos e destruição. Não acho que as pessoas se lembrem disso o tempo todo."


No início da turnê, a canção Don't Tell Me, não tinha sample da música Bittersweet Symphony do extinto grupo The Verve. Madonna e banda a incluiram somente à partir dos shows de Atlanta (em julho!). E realmente ficou maravilhosa...


Desde fevereiro/2004, Madonna sempre citava o musical Chitty Chitty Bang Bang como uma fonte de inspiração. A primeira foi em entrevista ao Jay Leno e revelou que cantava a musica Truly Scrumtious, da trilha sonora do espetáculo para seus filhos dormirem.
Recentemente, em entrevista, o diretor artístico da re-INVENTION Tour, Jamie King confessou que o musical inspirou diretamente a coreografia com bambus de Into The Groove.
Abaixo, foto da performance de Me Ol' Bamboo que inspirou a coreografia de Madonna:


Jamie King revelou mais detalhes interessantes: sugeriu a Madonna que trocasse Dress You Up por Material Girl.

"Ela estava perdendo muito tempo aprendendo a tocar Dress You Up na guitarra. E como ela já havia dito em entrevistas que nunca mais cantaria Material girl, eu a convenci de que era um grande hit e que seria muito melhor tocá-la no final de uma seqüência".

Sobre o ensaio com os 12 bailarinos, explicou: "Eu criei quarto salas: uma para a banda na qual Madonna trabalharia suas canções com os músicos e com o diretor musical; a sala de coreografia para ensaiar com as danças; a sala técnica, na qual aprenderíamos a parte teatral, como por exemplo, as acrobacias. Lá também ensaiamos a coreografia do rifle e do skate. Em outra sala, eu tinha todo o palco, inclusive os telões e outros elementos, feitos em madeira. Madonna queria saber exatamente como tudo ficaria visualmente, por isso foi criado.

 

Madonna se encantou com a gaita-de-foles devido à influência de Guy Ritchie, seu marido, que é escocês. Tanto que no seu casamento em 2002, um tocador foi contratado pra dar um ar diferente a cerimônia.

Com a re-INVENTION sendo ensaiada, esse mesmo tocador, chamado Callum Spud Fraser, havia sido chamado pra participar da turnê. Só que sem nenhum motivo, ele foi cancelado, e nem foi avisado da "demissão". "Eu estou p*** com ela. Sair em turnê com Madonna é uma chance única na vida de qualquer pessoa. Como eu estava feliz! Agora, perdi dinheiro. O que posso fazer?” desabafou. "Recebi um email de uma mulher da empresa de Madonna em Los Angeles. Chequei o nome e descobri que ela é sua empresária, Caresse Henry. Respondi imediatamente e disse que adoraria participar dos 32 show nos Estados Unidos e dos outros 15 na Europa. Ela disse que manteria contato, mas foi a última notícia que recebi dela. Quando as imagens da turnê apareçam na TV, recebi umas 100 ligações de pessoas perguntando: “Aquele gaitista é você?”

No casamento, Spud tocou o primeiro grande sucesso de Madonna, Like a virgin. “Ela reconheceu na mesma hora e sorriu pra mim. Mais tarde, Madonna comentou isso em um livro. Ela certamente lembrou de mim e por isso me procurou.” continua o instrumentista.

O gaitista contratado foi Lorne Cousin, um renomado músico de Campbeltown, Argyll.

 

A estilista pessoal de Madonna, Arianne Phillips, concedeu uma entrevista ao jornal americano USA Today e revelou curiosidades sobre o figurino da tour: "Madonna vai revisitar suas canções antigas, então usamos a mesma filosofia e tema para as roupas", declarou.


Suas camisetas são Jean Paul Gaultier e os sapatos - todos de salto alto - são Miu Miu.


O conjunto de pequenas e brilhantes pedras que é usado na abertura do espetáculo, de Christian Lacroix, tem duas cores: champagne e lilás e é descrito por Phillips como "uma mistura barroca de elementos históricos e modernismo contemporâneo".

 

O segundo figurino, de inspiração militar, foi desenhado por Phillips e remete ao clipe de American Life.

 

O terceiro conjunto foi desenhado por Stella McCartney e, segundo Phillips, é usado durante a parte mais romântica do show. "Esta roupa tem mais a ver com silhuetas".

 

O quarto figurino é Chanel e é inspirado no "Carnaval europeu". A roupa tem cores fortes e motivos gráficos. Com ela, Madonna faz uma espécie de corista: "Tem a ver com rebolado. É bem sexy e sapeca", explica Phillips.


Karl Lagerfel da grife Chanel, também falou um pouco da roupa que desenhou pra Madonna. É sua criação os dois corpetes "estilo cabaré"- um preto com listras brancas e outro vermelho e preto:“Adoro Madonna. Ela é uma fonte de inspiração para todos nós - sempre pronta para ser transformada. Quem se recusaria a trabalhar com ela?” diz o estilista.
Os itens foram desenhados em um tecido com elástico para deixar a cantora livre em seus movimentos. Também foram bordadas 200 mil pedras brilhantes na roupa, cada pedra ligada uma a outra por uma corrente. - o que demorou mais de 250 horas para ficar pronto. Como a cantora faz movimentos bruscos durante os shows, foram feitas três peças de cada roupa.

 

Na última parte do show, a cantora usa mais uma criação de Phillips, descrita pela estilista como uma roupa "tradicional, mas distorcida pela maneira como Madonna a usa".

A estilista também explicou ao jornal critério de escolha das roupas: "Ela tem que ser capaz de se movimentar e ter a liberdade para cantar, pois, sim", reforça Phillips, "Madonna canta ao vivo".

 

A camiseta preta escrita Kabbalists do it Better é uma releitura de uma camiseta que Madonna usou no clipe de Papa Don't Preach, que era escrito Italians do it Better.


Em alguns shows Madonna usava camisetas com frases diferentes, como: a original Italians do it Better, Brits do it Better, no Reino Unido, Irish do it Better, na Escócia e Vote or Die nos últimos shows dos Estados Unidos, referente as eleições presidenciais.


Após cantar a música Crazy for You, Madonna jogava essa camiseta que vestia para a platéia.

 

Nos dois show realizados no Castelo de Slane, na Irlanda, foram o que tiveram o maior número de público dessa turnê. Em cada show, nada menos que 80 mil pessoas estiveram presentes. O espaço é totalmente ao ar livre e ao fundo vê se o castelo original de Slane. Por não ser um ambiente fechado, o palco sofreu algumas modificações, tanto na estrutura como nos figurinos. A passarela que surge em American Life e Holiday, não existiu e a coreografia foi adaptada para ser feita no próprio palco principal.


Para se adaptar ao frio e a chuva que caiu durante o show, Madonna utilizou uma blusa cor por baixo do corselete e também um "meião" cor de pele. Um guarda-chuva foi colocado sobre Madonna surante a performance de Mother and Father. Já em Into the Groove, Madonna aparece com um casaco de lã.

 

Madonna foi buscar no século XVIII a referência para a divulgação da re-INVENTION TOUR e se transformou em Maria Antonieta. Mas afinal, você sabe quem é ela?

Maria Antonieta foi a mais fashion de todas as rainhas que já existiram. Esposa de Luís XVI, viveu na era do exagero, o Rococó, e foi responsável por várias modas do período, como os paniers - o acentuado volume na lateral dos vestidos - os decotes profundos e os corpetes justíssimos. As suas perucas chegavam a ter um metro de altura! Isso para não falar do seu comportamento libertino nada exemplar para o período.

Foi aquela rainha que no fim do século XVIII, com a França na maior miséria e o povo sem pão para comer, disse: "E porque então eles não comem brioches?" Poderia uma rainha ser mais alienada? Não foi à toa que teve sua cabecinha decapitada alguns meses depois! Sim... foi morta.

Madonna, sempre antenada, usou-a como referência em seu trabalho, principalmente por sua moda.




Os brincos usados por Madonna na divulgação da re-INVENTION Tour vestida como Maria Antonieta, pertencem ao acervo de peças que já foram usados pela coroa real! De acordo com informações, os brincos são de pérola, uma branca e outra preta e têm 20mm cada, e além de tudo são caríssimos, principalmetne por causa de seu histórico.


A peruca de Maria Antonieta utilizada nas fotos de divulgação da turnê e no tourbook faz parte da coleção do cabeleireiro Julien d’Ys e veio da Ópera de Paris.

 

Por trás de toda a preparação da turnê, o cabeleireiro Julien D'Ys esteve presente nas seções fotográficas de Steven Klein, provas de roupa, de penteados, de perucas, e claro, dos ensaios. Não perdendo tempo registrou tudo com sua poderosa e indiscreta câmera Polaroid.

Não satisfeito e muito solidário, reuniu tudo e fez um livreto para a alegria de fãs e curiosos, que reúne dezenas de fotos exclusivas, com uma diagramação prá lá de extravagante, mostrando muitas curiosidades entre rabiscos e grafismos.

Esse valioso mimo foi colocado à venda e é limitadíssimo: apenas 3000 exemplares! Pode ser comprado no site francês Colette pela bagatela de 50 euros (cerca de 175 reais). Caso queira, clique aqui e boa compra!


 

Dizem que Madonna presenteou todos os bailarinos com uma corrente de ouro e brilhantes, com desenhos inspirado nos signos do zodíaco, e valem cerca de US$ 1.000 cada (R$ 3 mil). Madonna também se presenteou com uma corrente com seu signo, "só que maior".


O concerto de Madonna em Manchester, na Inglaterra, foi "comemorado" de forma inusitada por um fabricante local de cerveja. Para homenagear a passagem da re-INVENTION TOUR pela cidade inglesa, a empresa JW Lees lançou uma edição especial da bebida com o sugestivo nome de Material Girl Ale, um tipo de cerveja escura, de sabor frutado e possui 7,5% de teor alcóolico!
O rótulo imita o design do álbum Immaculate Collection. Não se sabe se Madonna experimentou a bebida, mas os ingleses com certeza gostaram: a JW Lees teve que produzir aumentar sua produção.


Um técnico que trabalhava na produção so show sofreu um grave acidente durante uma inspeção no Erls Court, em Londres. O homem quebrou a perna e o braço após cair de uma altura de mais de 90 metros. A empresária de Madonna, Caresse Henry divulgou uma nota onde "toda a equipe do show lamenta o ocorrido com o rapaz, e que especialmente Madonna, deseja que ele se recupere o quanto antes."


Durante sua passagem por Londres, Madonna pegou a filhota Lola e visitaram o hospital para crianças Great Ormond Street, em Londres. Lourdes Maria fez as honras da visita lendo o livro Yakov e os Sete Ladrões para dezenas de crianças internadas. Madonna, irônica como sempre, disse que estava poupando sua voz para a turnê. Diversas cópias do livro foram distribuídas aos pacientes.


O canal americano CBS havia comprado os direitos de exibição do show ao vivo para o mundo todo, mas foi cancelado de última hora. O show exibido seriam os últimos na turnê, em Lisboa. Tudo deve-se ao fato da CBS achar o show impróprio para seu público, com imagens inapropriadas, como o protesto anti-guerra, as sutis cenas homossexuais no video exibido em Frozen, a cadeira elétrica em Die Another Day/Lament e tudo o que tinha referência a Cabala.
Inicialmente foi proposto que durante o show a CBS faria alguns cortes para comerciais de patrocinadores. Madonna não aceitou e disse que não mudaria nada em seu show (assim como ocorreu na Blond Ambition, quando Madonna foi proibida de fazer a encenação de masturbação). A CBS por sua vez não concordo em transmitir o show na íntegra.
Mas apesar disso tudo, Madonna ainda embolsou 10 milhões de dólares pelo cancelamento da transmissão pela tv: o contrato previa tal quantia caso o acordo fosse quebrado.


O lançamento do DVD oficial do show ainda está sem data definida para seu lançamento.


O merchandising devirados da tour são produtos extremamente distintos, como: porta-pílulas, porta-níquel, bótons, bonés, bandanas, pôsteres, canecas, velas, chaveiros, "munhequeira", shortinhos e muitas camisetas, de diferentes estampas.


A re-INVENTION TOUR é considerada a maior arrecadação de 2004. Cerca de 880 mil pessoas tiveram a oportunidade de assistir Madonna no palco. O total arrecadado ultrapassa os 124 MILHÕES DE DÓLARES, ou seja, mais de 370 MILHÕES DE REAIS. Os valores divulgados são:

Cidade Shows Pblico Arrecadao
Inglewood 3 shows 43,158 U$S 6,9 milhões
Las Vegas 2 shows 28,341 U$S 7 milhões
Anaheim 2 shows 24,250 U$S 4,1 milhões
San Jose 3 shows 40,205 U$S 5,5 milhões
Washington 2 shows 26,788 U$S 3,5 milhões
New York 6 shows 88,625 U$S 12,7 milhões
Boston 4 shows 46,075 U$S 6,5 milhões
Philadelphia 2 shows 30,575 U$S 4,2 milhões
East Rutherford 2 shows 29,315 U$S 4,5 milhões
Chicago 4 shows 59,591 U$S 7,9 milhões
Toronto/ Canadá 3 shows 52,167 U$S 5,4 milhões
Atlanta 2 shows 25,627 U$S 3,5 milhões
Fort Lauderdale 2 shows 28,208 U$S 3,9 milhões
Miami 2 shows 30,580 U$S 4,2 milhões
Reino Unido
Londres 6 shows não divulgado U$S 16 milhões
Manchester 2 shows não divulgado U$S 6,3 milhões


O massacre ocorrido na Rússia, em Beslan, foi homenageado por Madonna no show na Holanda. Antes de cantar a canção Imagine, Madonna falou um pouco sobre o ocorrido, fazendo com que toda a platéia, emocionada, aplaudisse à exaustão.
Vale recordar que em 2001, no fatídico 11 de setembro, Madonna também prestou uma homenagem aos EUA, doando toda a arrecadação do show naquele dia para os famíliares das vítimas.


Era cogitado Madonna apresentar nos 2 últimos shows da turnê, em Lisboa, as canções I'm So Stupid e Dress You Up. Dizem que Madonna as ensaiou, mas não as tocou no show.


Todas as 'studio versions' do show vazaram na web. Trata-se dos ensaios das canções e inclusive há I'm So Stupid e Dress You Up, que foram excluídas do setlist final.


Após o último show, em Lisboa no dia 14 de setembro, a produção do espetáculo, entre eles os técnicos e bailarinos estiveram presentes no restaurante Bica do Sapato e depois cairam na discoteca Lux.


Madonna se apresentou no Live 8, em 2005, cantando as mesmas versões de Like a Prayer e Music usadas na "Re-Invention Tour".


Em seu site oficial, Madonna dá um recado aos fãs, terminada a turnê: "Madonna agradece a todos que estiveram presentes em sua re-INVENTION TOUR provando mais uma vez que a música faz as pessoas se unirem."

Rapidinhas:

850,000 fãs, mais ou menos, viram o show
6 datas no Madison Square esgotaram em 1 dia
4 datas em Wembley foram vendidos em 1 dia
18 caminhões eram necessários para transporte dos equipamentos incluindo um palco desmontável
A estrutura do palco tem 40 toneladas
O palco montado tem 55 toneladas, incluindo som, vídeos, e toda parafernália
Madonna possui um caminhão especialmente montado, onde trocará de roupa e poderá se maquiar
30 baús especialmente para os figurinos
A equipe é composta por 110 pessoas
12 toneladas de equipamento sonoros
12 dançarinos
1 skatista profissional
5 músicos
2 backing vocals
1 tocador de gaita de fole
25 garrafas de Kaballah Water em cada espetáculo
18 camarins, sendo o de Madonna o maior e com muitas velas
58 minutos de preparação do cabelo e maquiagem de Madonna antes do show - 8 minutos para Madonna relaxar usando o Pilates com uma bola de plástico
Um copo grande de limão e mel para a garganta de Madonna antes de cada show
3 balas para a garganta de Madonna
5 trocas de roupa em cada espetáculo
Um playground para crianças
Uma sala de metidação

 


Banda
Madonna: Guitarra e violão; Monte Pittman: Violão, teclados e violão; Steve Sidelnyk: Percussão; Marcus Brown: teclados; Mike McKnight: programador/teclados, Lorne Cousin - gaita de foles

Backing Vocals

Donna DeLory, Siedah Garret

Diretor Musical
Stuart Price

Dançarinos

Cloud Campos, Reshma Gajjar, Mihran Kirakosian, Paul Kirkland, Tamara Levinson, Raistalla Moise, Dawn Noel, Marlyn Ortiz, Aries Smith, Seth Stewart, Zach Woodlee, Jason Young

Coreografias e Direção de Palco
Jamie King

Diretor de palco
Jamie King

Figurinos
Stella McCartney, Karl Lagerfeld, Christian Lacroix, Jean Paul Gaultier, Alexander McQueen, Yves Saint Laurent





Esses são alguns dos vídeos exibidos durante as performances.


The Beast Within


Vogue #1


Vogue #2


Nobody Knows Me


Frozen (vídeo Flex de Chris Cunningham)


Hollywood


Die Another Day


Bedtime Story


Nothing Fails


I'm so stupid









Como o DVD oficial até hoje não foi lançado,
vazaram imagens da edição final:


The Beat Within


Burning Up


Die Another Day








vire as folhas!


Pôsteres de divulgação:

 

"Ela pode ser uma esposa quase britânica, mãe de dois filhos, autora de livros infantis, devota da Kabbalah e fazer um disco que nem todo mundo gostou. Mas bastou ela dizer que vai voltar aos palcos que o ano de 1984 está todo de volta. Ela ainda é a Rainha!"
- Da jornalista Liz Smith sobre a re-Invention Tour em sua coluna diária no New York Post.


"Chocante e explosiva. Esta é Madonna, só para você"
Rediff.com


"A Re-invention é principalmente um marco na utilização de vídeos como cenário em um show pop: a movimentação das telas e a integração das coreografias e elevadores às imagens projetadas são de uma sofisticação e frescor impressionantes."
PlanetPop


"Em um show tão perfeito e ensaiado como coreografias olímpicas, Madonna provou novamente que é indiscutivelmente a Rainha do Pop"
Evening Times


"Horas glamurosa, horas seca. Horas sacana e religiosa. Horas piegas, Madonna provou novamente ao mundo que sem dúvida alguma é a mulher mais importante do entretenimento."
London On Board


"Excesso de visões políticas e espirituais. Ninguém quer ver isso de Madonna."
BBC


"Madonna reverencia a si mesma, canta seus maiores sucessos, aparentemente todos ao vivo."

The Globe


"Madonna oferece bonitos e atormentados videos, política, misticismo, mistério e religião em um show que mostra o quanto ainda é vital e relevante como artista."
The New York Post


"Madonna tem tentado se reinventar como uma cantora mais sóbria e cuidadosa, que faz pausas na sua apresentação frenética para tocar uma guitarra desafinadamente e agir como adulta."
BBC


"Madonna baixou o tom de suas atuações anteriores, marcadas por um forte apelo sexual. Não houve sutiãs em forma de cone ou expressões abertas de sexualidade."
BBC


"Madonna se reinventa com cabalismo, política e diversão."
Erika Palomino


"Ah, que saudade da Madonna politicamente incorreta... Madonna virou carola da cabala."
Erika Palomino


"Cantora volta aos palcos com produção ousada e imagens polêmicas."
AFP


"Madonna abriu a turnê mundial "Re-Invention" nesta segunda-feira um show extravagante e bem político."
O Globo


"Quem é essa garota reinventada???"
NY Post

 

 

Foi lançado em junho/2006 o documentário "I'm Going to Tell You a Secret" onde mostra os bastidores da turnê, além de algumas performances do show.

Para saber mais, clique aqui.

Ainda NÃO foi lançado o DVD oficial da turnê.